quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Já que ninguém é de ferro, rir é o melhor remédio... (I)

Um peixe foi jogado de cima de um prédio de 20 andares. Que peixe era esse ?
Era um atum, porque quando ele caiu fez Aaaaaaaaaaaaaaaa Tum !

Dois mercados estavam voando, e um deles falou: "Peraí, mercado não voa !". Um caiu no chão mas o outro continuou voando. Por quê ?
Era um Super-mercado

Dois caminhões estavam voando, e um deles falou: "Peraí, caminhão não voa !". Um caiu no chão mas o outro continuou voando. Por quê ?
Era um caminhão-pipa

Dois frangos estavam voando, e um deles falou: "Peraí, frango não voa !". Um caiu no chão mas o outro continuou voando. Por quê ?
Era um frango à passarinho

Qual a diferença entre o avião, o doido e o Senna ?
O Avião é TAM, o doido é TAMTAM e o Senna é TAM TAM TAM

Por que a mulher do Hulk largou ele ?
Ela queria um homem mais maduro

Por que a loira ficou toda orgulhosa quando resolveu um quebra-cabeça em 8 meses ?
Porque na caixa estava escrito "de 4 a 6 anos"

Uma loira estava dirigindo pela contramão. O guarda de trânsito perguntou "Onde a senhora pensa que vai ?". O que ela respondeu ?
"Bom, agora eu acho que nem vou mais. Está todo mundo voltando !"

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

"Tão triste a solidão.
Mais triste a própria solidão.
De encontrar sozinho dentro do coração.
Onde um abismo profundo.
Arrasta a imensidão para dentro do peito da gente.
Onde se parece viver em vão."

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O público e o privado.


Hoje fui ao banco, aliás, dois bancos, caixa eletrônico, para eu fazer o serviço que pago para o banco fazer, mas tudo bem, fui eu ao banco, para variar, época de pagamento, dezembro, lotado era uma palavra inapropriada. Tinha fila para entrar no banco, na porta giratória, e eu pacientemente, esperando uns sairem, outros entrarem, numa fila meio improvisada. Daí sai de trás de mim uma senhora e na maior cara de pau, como se eu não estivesse lá, passa na minha frente. Ao meu lado, quase me derrubando, um homem vai com tudo. Segundos depois, na fila atrás deles, descobri que eram casados, e ainda ela diz pra ele "fica enrolando lá fora" mesmo que tinha uma fila. Não obstante, esperando do lado de dentro, na fila única, para usar o caixa, e o pessoal lá da frente, não vê os caixas vagos no fundo, daí, nem olham, nem ficam atentos para darmos sinais, daí o cara na frente (aquele da porta) teve a indelicadeza, de passar por debaixo da grade e cortar a fila pra todo mundo, nessa, eu falando alto pro pessoal da frente que tinha vagados dois (agora um) caixa e a mulher ainda olhou feio porque eu "chamei a atenção dela", daí disse, e o pessoal já tá cortando fila... daí ouvi o cidadão grosseiramente dizer pra esposa dele: "não devo nada para ela.."... com certeza, não deve para mim, não tenho credores tão imbecis, porque não empresto dinheiro e nem emprestaria para um cidadão assim... mas vá lá... grosso, folgado e respondão... é muito desaforo para um dia quente como esse de hoje...
O que ainda não ensinaram para as pessoas é que elas vivem em sociedade e que vivem convivendo com outros, existe algo que se chama respeito, existe algo que se chama público e algo que se chama privado, o direito privado do cidadão, esbarra no direito público da sociedade e é preciso seguir regras, para que pessoas como essa de hoje, como prédios em construção que depositam seus entulhos e fecham calçadas, lanchonetes que se apropriam da calçada pública para disporem suas mesas, estacionar suas motos e carros... de fato, estamos vivendo numa crise, que não é ambiental, mas forçosamente, uma crise ética, de valores, onde a minha pressa, o meu tempo, o MEU é mais importante e mais urgente que o "EU" dos outros... assim fica difícil... tô de saco cheio!

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

...assim passamos pela vida...

O passar na vida é a aprendizagem constante, mas muito mais que aprender, é preciso saber se dar. Essa não é a parte mais fácil. Doar-se um pouquinho, do que você sabe, acaba sendo doar uma parte nossa, que muitas vezes é jogada ao vento e que esbarra em poucas flores no caminho, que conseguem aproveitar aquele suspiro nosso. Assim é a vida, todos os dias nos doamos um pouco, para qualquer coisa que seja que nos dedicamos na vida, por isso é preciso procurar as coisas que fazem sentido, para que nossos suspiros sejam bem aproveitados, pelas flores que encontramos no caminho.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

BONS AMIGOS


"Abençoados os que possuem amigos, os que os têm sem pedir.

Porque amigo não se pede, não se compra, nem se vende.
Amigo a gente sente!

Benditos os que sofrem por amigos, os que falam com o olhar.

Porque amigo não se cala, não questiona, nem se rende.
Amigo a gente entende!

Benditos os que guardam amigos, os que entregam o ombro pra chorar.

Porque amigo sofre e chora.
Amigo não tem hora pra consolar!

Benditos sejam os amigos que acreditam na tua verdade ou te apontam a realidade.

Porque amigo é a direção.
Amigo é a base quando falta o chão!

Benditos sejam todos os amigos de raízes, verdadeiros.

Porque amigos são herdeiros da real sagacidade.
Ter amigos é a melhor cumplicidade!

Há pessoas que choram por saber que as rosas têm espinho,

Há outras que sorriem por saber que os espinhos têm rosas!"

(Machado de Assis)

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

O Sucesso é ser feliz

O Sucesso é ser feliz

1. Seja ético.
A vitória que vale a pena é a que aumenta sua dignidade e reafirma valores profundos. Pisar nos outros para subir desperta o desejo de vingança.

2. Estude sempre e muito.
A glória pertence aquele que tem um trabalho especial para oferecer.

3. Acredite sempre no amor.
Não fomos feitos para a solidão. Se você está sofrendo por amor, ou está com a pessoa errada ou amando de uma forma ruim para você. Caso tenha se separado, curta a dor, mas se abra para outro amor.

4. Seja grato a quem participa das suas conquistas.
O verdadeiro campeão sabe que as vitórias são alimentadas pelo trabalho em equipe. Agradecer e a melhor maneira de deixar todos motivados.

5. Eleve suas expectativas.
Pessoas com sonhos grandes obtem energia para crescer. Os perdedores dizem: "Isso não é para nós". Os vencedores pensam em como realizar seu objetivo.

6. Curta muito a sua companhia.
Casamento dá certo para quem não é dependente. Aprenda a viver feliz mesmo sem uma pessoa ao lado. Se não tiver com quem ir ao cinema, vá com a pessoa mais fascinante: você!

7. Tenhas metas claras.
A história da humanidade é cheia de vidas desperdiçadas. Amores que não geram relações enriquecedoras, talentos que não levam a carreiras de sucesso. Ter objetivos evita o desperdicio de tempo, energia e dinheiro.

8. Cuide bem do seu corpo.
Alimentação, sono e exercicios sao fundamentais para uma vida saudável. Seu corpo é seu templo. Gostar da gente deixa as portas abertas para que os outros gostem de você também.

9. Declare o seu amor.
Cada vez mais as pessoas devem exercer seu direito de buscar o que querem (sobretudo no amor), mas atencao: elegância e bom senso são fundamentais.

10. Amplie os relacionamentos profissionais.
Os amigos são a melhor referência em crises e a melhor fonte de oportunidades na expansão. Ter bons contatos é essencial em momentos decisivos.

11. Seja simples.
Retire de sua vida tudo o que lhe da trabalho e preocupação desnecessários. Crie espaço para desfrutar mais a viagem da vida.

12. Mulher, nao imite o modelo masculino.
Os homens fizeram sucesso a custa da solidão e da restrição aos sentimentos. O preço tem sido alto: infartos e suicidios. Sem duvidas, temos mais a aprender com as mulheres do que vocês conosco. Preserve a sensibilidade feminina - e mais natural e lucrativa.

13. Tenha um orientador.
Viver e decidir na neblina sabendo que o resultado só será conhecido quando pouco restar a fazer. Procure alguem de confiança, de preferência mais experiente e bem sucedido, para lhe orientar nas indecisões.

14. Jogue fora o vicio da preocupação.
Viver tenso e estressado está virando moda. Parece que ser competente e estar de bem com a vida sao coisas incompativeis. Bobagem! Defina suas metas, conquiste-as e deixe a neura para quem gosta dela!

15. O amor é um jogo cooperativo.
Se vocês estão juntos, é para jogar no mesmo time. Ficar mostrando dificuldades do outro ou lembrando suas fraquezas para os amigos não tem graça.

16. Tenha amigos vencedores.
Campeões falam com campeões. Perdedores só tocam na tecla perdedores.
Aproxime-se de pessoas com alegria de viver e afaste-se de gente baixo-astral.

17. Diga adeus a quem não merece.
Alimentar relacionamentos que só trazem sofrimento e masoquismo, atrapalha sua vida. Se você tiver um conjuge que não esteja usando, empreste, venda, alugue, doe e deixe espaço livre para um novo amor.

18. Resolva.
A pessoa do proximo milenio vai limpar de sua vida as situacões e os problemas desnecessarios. Saiba tomar decisões, mesmo as antipáticas. Você otimizara seu tempo e seu trabalho. A vida fluirá muito melhor.

19. Aceite o ritmo do amor.
Assim como ninguem vai empolgadissimo todos os dias para o trabalho, ninguém está sempre no auge da paixão. Cobrar de si e do outro viver nas nuvens é o comeco de muita frustração.

20. Celebre as vitórias.
Compartilhe o sucesso, mesmo pequenas conquistas, com pessoas queridas. Grite, chore, encha-se de energia para os desafios seguintes.

21. Perdoe.
Se voce quer continuar com uma pessoa, enterre o passado para viver feliz. Todo mundo erra, a gente também.

22. Arrisque!
O amor não é para covardes. Quem fica a noite em casa sozinho só terá de decidir que pizza pedir. é o único risco que corre será o de engordar.

23. Tenha uma vida espiritual.
Conversar com Deus é o máximo, especialmente para agradecer. Ore antes de dormir. Faz bem ao sono e a alma. Oração, meditação são forças de inspiração.

Roberto Shinyashiki

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Lamento Sertanejo... lamento urbano

Particularmente eu gosto muito de músicas e elas sempre me fazem refletir, principalmente quando estamos falando de músicas que retratam uma situação ou que relatam um sentimento.
Hoje estava ouvindo uma bela música, composta  por Gilberto Gil e Dominguinhos e interpretada por um excelente cantor, o próprio Gil. Essa música fala sobre o “lamento sertanejo”, lá do interior do mato, mas ela é tão urbana, tão minha, como se eu mesma tivesse chorado suas notas.
No trecho “Eu quase não saio. Eu quase não tenho amigos. Eu quase que não consigo. Ficar na cidade sem viver contrariado”, no retrato que ela elabora, ela é muito atual. Eu particularmente sou e sempre vivi na cidade e é praticamente impossível “ficar na cidade sem viver contrariado”. As cidades hoje são antros de modernidade, tecnologia, com discrepâncias e desigualdade absurdas.
Aos críticos podem me chamar de hipócrita, coisa que não me considero, tive uma infância numa casa de dois cômodos, tomava banho em bacia de alumínio, não havia asfalto, brincávamos no barro e éramos extremamente felizes. Desde que me entendo por adulta, sempre moramos em bairros bem localizados, com água e asfalto, hoje moro numa casa grande, bonita, espaçosa e confortável, quilômetros-luz de distancia da minha infância, mas o motivo de relatar isso aqui é porque às vezes a situação em que algumas pessoas moram é quase que inconcebível. Sei que ninguém gostaria de morar numa casa velha, mofada, num local feio, mal estruturado, visualmente mau iluminado e sujo. Mas também creio que existem pessoas que dão mais prioridade para outras coisas do que seu próprio lar. E a prioridade que digo não é nem de ter coisas caras e de ultima geração dentro de casa, é o cuidar do seu lar (diga-se Terra, leia-se cidade, bairro, rua).
Por conta disso mesmo, eu diria que, como diz a letra da música: “Eu quase não sei de nada. Sou como rês desgarrada. Nessa multidão boiada caminhando a esmo.” E essa é a sensação que tenho mesmo, caminhando a esmo, parece que todo mundo esta caminhando a esmo; indistintamente; à sorte; à toa. E todos têm muita pressa, isso que é o mais incrível, a pressa que todos tem, ninguém tem tempo para nada, ninguém pode esperar, um minuto e meio é como se vocês tivesse perdido uma hora parado naquele sinal vermelho bendito. Por conta dessa pressa, não é possível sequer respeitar as leis e as regras básicas de convivência em sociedade, o direito do outro.
Não posso dizer que sempre sou uma cidadã politicamente correta, que sempre faço de tudo o melhor possível pelo coletivo, mas na maioria das vezes sim, respeito faixas de pedestres, sinais amarelos e vermelhos, a prioridade do pedestre ou dos mais frágeis. Mas a questão não é nem essa, cada um cumprir a sua parte, minimamente, mas sim todo mundo achar que o seu é prioridade, que a sua pressa é mais urgente que a do outro, que o tempo não se pode perder e que ele vale dinheiro. Rsrsrs.... se alguém quiser “comprar” meu tempo, podemos negociar... ah isso tudo para mim é tão absurdo é tão irreal... a cidade é lugar de loucuras... e olha que minha cidade tem “apenas” 200 mil habitantes.... e daí vou correr novamente para o Gil: “Vamos fugir. Deste lugar. Vamos fugir. Tô cansado de esperar que você me carregue... ()Vamos fugir. Pr'onde haja um tobogã onde a gente escorregue... () Qualquer outro lugar comum. Outro lugar qualquer... Guaporé, Guaporé. Qualquer outro lugar ao sol. Outro lugar ao sul. Céu azul, céu azul. Onde haja só meu corpo nu. Junto ao seu corpo nú...”

Quando é que você vem...? Tô cansada de esperar...
Argh
To de saco cheio!!!!

domingo, 19 de setembro de 2010

Verdades e mentiras / Sá e Guarabyra


Composição: Sá/Guarabyra

"Responda depressa quem se acha esperto
Quem sabe de tudo que é certo na vida
Porque que a cara feroz da mentira
Nos pode trazer tanta felicidade
Porque que na hora da grande verdade
Às vezes o povo se esconde se esquece

Verdade... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Mentira... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Verdade, mentira. Verdade ou mentira

Às vezes é sua inimiga a verdade
Às vezes é sua aliada a mentira
Aquilo que a vida nos dá e nos tira
Não anda de braços com a sinceridade
Por onde será que é mais curto o caminho
Qual deles mais sobe
Qual deles mais desce

Verdade... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Mentira... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Verdade, mentira. Verdade ou mentira

Tem gente que jura que a vida é virtude
Tem gente que faz o bem por falcidade
Não há no universo uma força que mude
O dom da mentira, o som da verdade
A lábia do sábio, a arma do rude
São Deus e o Diabo unidos na prece

Verdade... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Mentira... esconde esconde, jogo de esconde esconde, tudo se esconderá
Verdade, mentira. Verdade ou mentira..."


video

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Exigências da vida moderna (quem agüenta tudo isso??)



Crônica de Luís Fernando Veríssimo

"Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro.
E uma banana pelo potássio.
E também uma laranja pela vitamina C.
Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.
Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água.
E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.
Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos (que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão).
Cada dia uma Aspirina, previne infarto.
Uma taça de vinho tinto também.
Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso.
Um copo de cerveja, para... não lembro bem para o que, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.

Todos os dias deve-se comer fibra.
Muita, muitíssima fibra.
Fibra suficiente para fazer um pulôver.
Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente.
E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada.
Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia.
E não esqueça de escovar os dentes depois de comer.
Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax.
Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.

Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma.
Sobram três, desde que você não pegue trânsito.
As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia.
Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).
E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando.
Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.

Ah! E o sexo.
Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina.
Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução.
Isso leva tempo e nem estou falando de sexo tântrico.
Também precisa sobrar tempo para varrer, lavar pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação..

Na minha conta são 29 horas por dia.

A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!!!
Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes. Chame os amigos e seus pais para ir junto.
Agora tenho que ir.
É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro.
E já que vou, levo um jornal...
Tchau.....

Se sobrar um tempinho, me manda um e-mail."

Rosas


Rosas
Intérprete: Ana Carolina
Composição: Totonho Villeroy

Você pode me ver
Do jeito que quiser
Eu não vou fazer esforço
Pra te contrariar
De tantas mil maneiras
Que eu posso ser
Estou certa que uma delas
Vai te agradar...
Porque eu sou feita pro amor
Da cabeça aos pés
E não faço outra coisa
Do que me doar
Se causei alguma dor
Não foi por querer
Nunca tive a intenção
De te machucar...
Porque eu gosto é de rosas
E rosas e rosas
Acompanhadas de um bilhete
Me deixam nervosa...
Toda mulher gosta de rosas
E rosas e rosas
Muitas vezes são vermelhas
Mas sempre são rosas...
Se teu santo por acaso
Não bater com o meu
Eu retomo o meu caminho
E nada a declarar
Meia culpa, cada um
Que vá cuidar do seu
Se for só um arranhão
Eu não vou nem soprar...

Felicidade

"Torne-se uma pessoa feliz através de seu próprio esforço. Deixe as palavras 'eu' e 'meu'? e você se sentirá leve e feliz. Você consegue fazer isso? Sim, situações vêm e vão, mas não deixe sua felicidade desaparecer. Tenha o poder de acomodar e você será capaz de administrar todos os aspectos. Deixe de lado as coisas pequenas. Não fique preso a elas. O conhecimento que você está recebendo é tão profundo. Torne-o seu."

sábado, 17 de julho de 2010

Antes de partir


Hoje assisti um filme, com dois atores brilhantes: Jack Nicholson e Morgan Freeman, o filme se chama “Antes de Partir”, conta a historia dos dois, que recebem uma noticia de diagnostico de câncer e fazem seus tratamentos, mas recebem alguns meses de vida. Um é um homem simples e o outro um milionário. E então depois de sofrer no mesmo quarto de hospital onde um dele é o dono, decidem juntos fazer uma lista de coisas antes de morrer e saem a viver. Eles vão para muitos lugares no mundo e aproveitam o melhor que o dinheiro pode comprar, mas também da mesma angustia de que a vida é somente o que se faz dela, o que se vive, o que se pode proporcionar.

Não serei hipócrita a ponto de dizer que não se precisa de dinheiro para se realizar as coisas e para se viver bem, conhecer lugares extasiantes e de tirar o fôlego, comer coisas boas e exóticas, compartilhar de conforto e de prazer físico, tudo isso é necessário sim... mas é difícil falar sobre a mensagem do filme, se falar que dá uma lição de vida estarei caindo no lugar comum, existem milhares de filmes que fazem isso, que tem mensagens do tipo, mas acho que ele foi um bom filme num bom momento pra mim e isso foi importante... sempre é bom repensar quando a gente acha que tem todos os problemas do mundo e que outras realidades muito mais duras são perenes do mundo todo.

Nossa vida dura pouco demais pra passarmos 1/3 do dia tentando ganhar dinheiro. Dura pouco demais para a gente tentar manter o controle o tempo todo. Dura pouco demais para a gente querer que tudo saia do nosso jeito, para que tudo seja como planejamos, para que passemos buscando as pessoas perfeitas que podem nunca aparecer em nossas vidas...

A letra da música também é muito bonita. Vale a pena conferir o video.


terça-feira, 13 de julho de 2010

"Só há felicidade quando não pensamos no amanhã e abraçamos, agradecidos, o que hoje tem a nos oferecer."

Autor Desconhecido

segunda-feira, 28 de junho de 2010

"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca."
Clarice Lispector

terça-feira, 4 de maio de 2010

As Abóboras


Gostei desse email que eu recebi... :D

Era uma vez um cocheiro que dirigia uma carroça cheia de abóboras. A cada solavanco da carroça, ele olhava para trás e via que as abóboras estavam todas desarrumadas. Então ele parava, descia e colocava-as novamente no lugar. Mal reiniciava sua viagem, lá vinha outro solavanco, e tudo se desarrumava de novo. Então ele começou a ficar desanimado e pensou: "Jamais vou conseguir terminar minha viagem! É impossível dirigir nesta estrada de terra, conservando as abóboras arrumadas!".
Quando estava assim pensando, passou à sua frente outra carroça cheia de abóboras, e ele observou que o cocheiro seguia em frente e nem olhava para trás: as abóboras que estavam desarrumadas organizavam-se sozinhas no próximo solavanco. Foi quando ele compreendeu que, se colocasse a carroça em movimento na direção do local onde queria chegar, os próprios solavancos da carroça fariam com que as abóboras se acomodassem em seus devidos lugares.
Assim também é a nossa vida: quando paramos demais para olhar os problemas, perdemos tempo e nos distanciamos das nossas metas...

quinta-feira, 18 de março de 2010

Um grito no silêncio

Já ouvi muitos versos, cantados e harmoniosos
Poesias estranguladas, brados enclausurados
Não há palavras boas pra cantar
Nem versos tão belos a soletrar

O medo já é mais presente
Nos dias que se levantam
Nem dormir mais se é consentido
O cachorro e os tiros já não permitem
Não há mais lugar seguro
Não há mais cidade do interior
O trauma agora é constante
Em minha face só há um rubor

Bobagem as pessoas dizerem
Que política resolve a civilização
Depositaram toda a esperança
No tabuleiro, em mais um pião
Mas há muito que se pode fazer
Mas há muitas guerras a vencer
Porém se cada um fizesse um pouquinho
Como desligar a TV, grande trunfo se conquistaria

No Brasil e em todo o mundo
Recompensa-se pela ignorância, que crê que não se tem
Está tudo sendo manipulado
Mas há algo enlatado que não engulo, pois não sou otário
As crianças vendo violência
Aprendem a ser mais fúteis e consumistas então
Se mede uma amizade
Pelo que mais ela tem e não pelo que são

A violência anda gratuita
Os pais sem consideração
Fazendo filhos nos próprios filhos
A inocência sendo interrompida
A malícia sendo esculpida
Não sei como se admite
Que isso seja uma família
Pois isso é uma grande desmoralização

Não adianta dinheiro algum
A qualquer momento se pode perder
O que fica é o conhecimento
Que realmente é o poder
Meus versos não rimam com nada
Nem é esta a intenção
São gritos que estão abafados
Essa é toda minha indignação

O sistema está desvinculado
Nada mais faz sentido ou ligação
Nessa fúria, desse dia-a-dia
Esse país não é mais uma nação

E eu choro de aflição e angústia
Que o amanha já não chegará
A natureza sendo destruída
E só o lixo é o que restará
O lixo que sua incapacidade
No chão há de arremessar
Pois sua cabeça não raciocina
Que o planeta Terra irá acabar

Os gritos que ele nos emite
Ninguém quer enxergar
Fingem que não os escutam
Mas não há como fugir, você há de se entregar
E então irá reclamar da natureza ou do Criador
Que diabos está acontecendo?
Sendo que você é o causador

Então finja que não é contigo
Aos montes alguns vão morrer
Os que têm por não temerem
Os que não têm por não admitirem
E o choro de indignação
O túmulo de mármore, nada adiantarão
O fim do mundo está próximo
Então você é a contradição!

Então quando chegarem as datas comemorativas
Não pense só em consumir
Pense na alienação
Da qual você deveria fugir
Não basta ser solidário
Apenas em um só dia num ano inteiro
Não basta fingir ser bonzinho e ter bom coração
A hipocrisia impera, no rádio e na televisão
Nos comandos do que você quer ser
Aonde você deve investir
O que você deve beber
Até ditam o que deve vestir

E você sai igual a vitrine
Achando que está na moda
E elas lá de cima estão rindo
Mais um num monte de idiotas

Tudo que se faz é fabricado
Você sempre quer se dar bem
Depois é muito mais fácil
Chantagear com Alguém do além
Pra conseguir a nota que não se esforçou
O namorado não lhe trair com ninguém
E a moral e os bons costumes
Ficaram na memória
De um romance romântico
Aos trancos e barrancos
Envelhecido numa biblioteca
Pois só a internet agora é o que interessa

Vejo pessoas pedindo atenção
Fabricando amigos invisíveis e contando os número que eles são
Os que têm mais de três dígitos são os populares
Nem por isso tem boa intenção
Esse protesto que nunca acaba
De eterna abominação
Queria ter nascido bicho
Animal racional não tem mais razão.

segunda-feira, 8 de março de 2010

Educação e esperança: opostos?

Eu fico impressionada com a relação existente entre a escola e o seu público. Fantástico como a estrutura escolar é contra seu maior objetivo, os alunos.
A secretaria das escolas são um local limpo e claro, cheio de plantas e tem até papel higiênico no banheiro dos professores, sabonete e as torneiras e descargas funcionam, que maravilha. No local destinado aos alunos o ambiente é ríspido, sujo, escuro, pichado, melancólico, lembrando solidão, desespero. Nos banheiros, quando funcionam, não há sombra de papel higiêncio e sabonete, mesmo que a verba pública seja também para manter essa estrutura, sempre há os banheiros entupidos, as torneiras quebradas e os bebedouros (quando não quebrados) com água quente da torneira.
Daí eu como educadora, me pergunto e me revolto, como os alunos podem gostar e valorizar um local como este? Como alguém pode querer permanecer dentro das grades e sirenes ameaçadoras, que mais lembram uma prisão e determinam sua frustração?
A escola virou lugar de descaso, descaso de todas as partes envolvidas, salvo alguns raríssimos casos perdidos que levam a educação a sério. A sociedade, o governo, os professores, os funcionários, os alunos, todos tratam a escola como algo inferior, sem valor... Pobres criaturas que esperam que a salvação venha por milagres religiosos. O milagre é a possibilidade diária de transformação, de ampliar os caminhos e mudanças na maneira de agir e pensar.
Não há outro caminho com o poder transformador como o da educação, como o do conhecimento, como o da informação transformado em sabedoria, disseminado com a força da esperança de participar!
Existe solução, mesmo que o caminho seja trilhado de maneira dolorosa, sempre há uma maneira, como diz Gabriel o Pensador: "pra quem sabe olhar pra trás, nenhuma rua é sem saída..."

;)

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Grandeza


"O tempo está nos chamando agora para preencher a grandeza que existe dentro de cada um de nós. Grandeza não é medida por prêmios e méritos mas pela nossa habilidade de elevar outros através das nossas qualidades e virtudes. Glorifique e emerja o potencial pleno que existe em cada espírito humano."

Site nacional:
www.bkwsu.org/brasil

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Ser feliz ou ter razão?

Interesante, esse foi um dos emails que ficou parado na minha caixa de entrada, assim como outros 300, que acabam passando batido na correria do dia-a-dia e vai ser esquecido com certeza, às vezes por uma questão de esquecimento ou mesmo falta de noção das pessoas... mas eu o abri, tentando diminuir o número alto de emails e apagar alguns... achei o texto interessante:

SER FELIZ OU TER RAZÃO? (Sem autor)
"Oito da noite, numa avenida movimentada. O casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita. Discutem. Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado. Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados. Mas ele ainda quer saber: - Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais... E ela diz: - Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite!

MORAL DA HISTÓRIA: Esta pequena história foi contada por uma empresária, durante uma palestra sobre simplicidade no mundo do trabalho. Ela usou a cena para ilustrar quanta energia nós gastamos apenas para demonstrar que temos razão, independentemente, de tê-la ou não.
"

Sabe o que achei mais interessante, eu me vi nessas palavras, quantas vezes eu discuto com minha filha pelo simples fato de querer ter razão, de querer ser a última a falar. Não só por orgulho, mas sim, porque eu aprendi que os pais (mesmo não tendo) têm de dar a última palavra e sempre ter razão, estupidez. Medir força. Entendimento de que ter força é ter respeito. Não é assim que se conquista o amor e o respeito, mas de uma forma meio quadrada isso é meio automático na vida da gente. Ganhar no grito, ir derrubando tudo para conquistar, mas isso é tão pequeno. Tão pequeno que não conseguimos ver o quão mesquinho também é.
Sei que esse email, essa mensagem não vai mudar minha vida, mudanças não são imediatas, são construídas, como tudo na vida, acredito na construção, mas se eu sou capaz de parar e refletir isso já é um bom sinal. Sei também que as mudanças são novos hábitos que devem ser cultivados, seguidos, repetidos e incorporados... e que realmente, toda vez que eu quiser ter razão em tudo, sem levar em consideração o debate, a opinião alheia, corro o risco de gastar minha energia em algo ruim e continuar cultivando essa negatividade presente na disputa, na concorrência.
Aprender a aprender...

sábado, 6 de fevereiro de 2010

O professor está sempre errado


Uau, complicado demais nossa relação com a educação, algumas das nossas referências na vida são professores, bons ou ruins, claro, porque os bons nos inspiram e os ruins, nos inspiram a não ser como eles, rs. Mas a crônica abaixo é bem interessante... "O professor está sempre errado."

"O material escolar mais barato que existe na praça é o professor!
É jovem, não tem experiência.
É velho, está superado..
Não tem automóvel, é um pobre coitado.
Tem automóvel, chora de "barriga cheia'.
Fala em voz alta, vive gritando.
Fala em tom normal, ninguém escuta.
Não falta ao colégio, é um 'caxias'.
Precisa faltar, é um 'turista'.
Conversa com os outros professores, está 'malhando' os alunos.
Não conversa, é um desligado.
Dá muita matéria, não tem dó do aluno.
Dá pouca matéria, não prepara os alunos.
Brinca com a turma, é metido a engraçado.
Não brinca com a turma, é um chato..
Chama a atenção, é um grosso.
Não chama a atenção, não sabe se impor.
A prova é longa, não dá tempo.
A prova é curta, tira as chances do aluno.
Escreve muito, não explica.
Explica muito, o caderno não tem nada.
Fala corretamente, ninguém entende.
Fala a 'língua' do aluno, não tem vocabulário.
Exige, é rude.
Elogia, é debochado.
O aluno é reprovado, é perseguição.
O aluno é aprovado, deu 'mole'.
É o professor está sempre errado, mas, se conseguiu ler até aqui, agradeça a ele."

(Autor - Jô Soares)

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

A Praga - Rubem Alves

Puxa vida, eu adoro Rubem Alves, já dei vários livros dele para minha mãe e sinceramente, gosto dele porque em seus livros é como se batesse um papo com a gente, uma relação de encontro e reflexão. Encontrei essa crônica dele, muito bacana... sabe eu sou divorciada... e sei que ... a deixa pra lá... mas é legal refletir em como os símbolos atrapalham a vida e contrato social ;)



"É BOM atentar para o que o papa diz. Porta-voz de Deus na Terra, ele só pensa pensamentos divinos. Nós, homens tolos, gastamos o tempo pensando sobre coisas sem importância tais como o efeito estufa e a possibilidade do fim do mundo. O papa vai direto ao que é essencial: “O segundo casamento é uma praga!”Está certo. O casamento não pertence à ordem abençoada do paraíso. No paraíso não havia casamento. Na Bíblia não há indicação de que as relações amorosas entre Adão e Eva tenham sido precedidas pelo cerimonial a que hoje se dá o nome de casamento: o Criador, celebrante, Adão e Eva nus, de pé, diante de uma assembléia de animais, tudo terminando com as palavras sacramentais: “E eu, Jeová, vos declaro marido e mulher. Aquilo que eu ajuntei os homens não podem separar…”Os casamentos, o primeiro, o segundo, o terceiro, pertencem à ordem maldita, caída, praguejada, pós-paraíso. Nessa ordem não se pode confiar no amor. Por isso se inventou o casamento, esse contrato de prestação de serviços entre marido e mulher, testemunhado por padrinhos, cuja função é, no caso de algum dos cônjuges não cumprir o contrato, obrigá-lo a cumpri-lo.

Foi um padre que me ensinou isso. Ele celebrava o casamento. E foi isso que ele disse aos noivos: “O que vos une não é o amor. O que vos une é o contrato”. Aprendi então que o casamento não é uma celebração do amor. É o estabelecimento de direitos e deveres. Até as relações sexuais são obrigações a ser cumpridas.Agora imaginem um homem e uma mulher que muito se amam: são ternos, amigos, fazem amor, geram filhos. Mas, segundo a igreja, estão em estado de pecado: falta ao relacionamento o selo eclesiástico legitimador. Ele, divorciado da antiga esposa, não pode se casar de novo porque a igreja proíbe a praga do segundo casamento. Aí os dois, já no fim da vida, são obrigados a se separar para participar da eucaristia: cada um para um lado, adeus aos gestos de ternura… Agora está tudo nos conformes. Porque Deus não enxerga o amor. Ele só vê o selo eclesial.O papa está certo. O segundo casamento é uma praga. Eu, como já disse, acho que todos são uma praga, por não ser da ordem paradisíaca, mas da maldição. O símbolo dessa maldição está na palavra “conjugal”: do latim, “com”= junto e “jugus”= canga. Canga, aquela peça pesada de madeira que une dois bois. Eles não querem estar juntos. Mas a canga os obriga, sob pena do ferrão…Por que o segundo casamento é uma praga? Porque, para havê-lo, é preciso que o primeiro seja anulado pelo divórcio. Mas, se a igreja admitir a anulação do primeiro casamento, terá de admitir também que o sacramento que o realizou não é aquilo que ela afirma ser: um ato realizado pelo próprio Deus.

Permitir o divórcio equivale a dizer: o sacramento é uma balela. Donde, a igreja é uma balela… Com o divórcio ela seria rebaixada do seu lugar infalível e passaria a ser apenas uma instituição falível entre outras. A igreja não admite o divórcio não é por amor à família. É para manter-se divina…A igreja, sábia, tratou de livrar seus funcionários da maldição do amor. Proibiu-os de se casarem. Livres da maldição do casamento, os sacerdotes têm a suprema felicidade de noites de solidão, sem conversas, sem abraços e nem beijos. Estão livres da praga…"

A Praga - Rubem Alves

domingo, 31 de janeiro de 2010

O que você escolheu para sua vida!?

Estava passando em frente a um posto de saúde, numa cidade vizinha, era uma sexta-feira chuvosa, no meu pensamento já passavam das 7 da manhã, horário que o posto já deveria estar aberto. Do lado de fora, vários velhinhos, acho que tinha umas oito pessoas, entre homens e mulheres, se escondendo como podia debaixo de suas sombrinhas e guarda-chuvas. A cena me cortou o coração.
Em dias de chuva, se é mais tolerante com o atraso dos funcionários. Bom, alguns lugares são bastante tolerantes com atraso de funcionários, especialmente o poder publico, afinal, se qualquer atendente chegar ou não no horário, seus superiores não estarão lá para cobrar nada, afinal, seus superiores chegam sempre muito tarde.
Aqui na minha cidade, num dos melhores postos, o atendimento começa às 7 horas, quer dizer, o posto abre esse horário, as consultas são marcadas para esse horário, as enfermeiras estão lá esse horários, mas os médicos, estrelas que principalmente os idosos idolatram, chegam às 8, 8 e meia... coisa do tipo. Eu queria saber na minha mais inocente consciência qual seria o motivo do qual eles marcam uma consulta às 7 da manhã, se os médicos nunca chegarão nesse horário? Pior de tudo é marcar todos no mesmo horário, isso é marcar uma consulta e ser por ordem de chegada, motivo do qual os velhinhos estão na porta do posto às 6 da manhã, para serem atendidos primeiro.
O que me deixa louca mesmo é porque alguns profissionais, especialmente os médicos, acham que estão no seu mais completo direito de atrasarem para atender, seu juramento de defender a vida, ser ético e o escambau parece que é só algo que eles foram obrigados a fazer em sua formatura mesmo. Qual a ética em atrasar 1h30m? Eles não podem acordar tão cedo assim, isso não seria justo com seus 7 ou 8 anos de estudo e dedicação, com seus plantões, com suas noites sem dormir? Puxa vida, mas quem disse que médico é uma profissão glamourosa? Ficou o status, mas glamour não existe mais no nosso mundo. Glamour é para as estrelas antigas, que ficaram na memória dos admiradores do mundo fantástico da televisão. Ser médico, ser doutor (doutor só é quem fez doutorado), ser “adevogado” (quanta gente ainda coloca um “e” louco no “d” mudo), ser bancário, professor, vixe, há muito tempo que a profissão deixou de ter glamour, se é que existiu alguma necessidade de ter algum dia. As profissões não são o fim, existem pessoas que estão nelas com o intuito de ganhar dinheiro e outras que apesar de ganhar não tão bem, gostar do que fazer e o fazem com amor. Eu não posso julgar dizendo que uma coisa é melhor que outra, obviamente, quem for atendido por um profissional que escolheu para sua vida sua profissão, vai saber disso, pelo prazer e respeito que o outro lhe transmite, mas há muitos olhares vazios em muitos lugares que se vá, numa recepção de hotel, numa portaria de prédio, num escritório de advocacia, num despachante, num consultório médico, num salão de beleza, numa escola, em qualquer lugar que se vá, ou verá olhos fatigados pelo cansaço e pelo ódio do que são obrigados a fazer, esperando avidamente que ganhem na loteria para nunca mais passar na frente do local de trabalho, ou lamentando ganhar tão pouco, ou com um sorriso nos olhos sincero por achar que sua profissão é digna de ser respeitado como pessoa, tendo ou não nível superior ou degraus acima ou a baixo.
É por isso que digo aos meus alunos, procure amar o que faz ou procurar algo que lhe dê prazer, as pessoas não são suas profissões, mas passamos, felizes ou não, boa parte da vida nelas e o preço que se paga por não tentar algo que se goste não vale a pena, o dinheiro não vai pagar a vida que perdeu.

sábado, 30 de janeiro de 2010

CORRIGINDO OS DITOS POPULARES:

Copiei quase integralmente este texto de outro blog, achei super interessante e por isso postei aqui, sempre bom saber de algumas coisas.


CORRIGINDO OS DITOS POPULARES:

Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão
O correto é: Batatinha quando nasce, espalha ramas pelo chão.

Cor de burro quando foge.
O correto é: Corro de burro quando foge!

Quem tem boca vai a Roma.
O correto é: Quem tem boca VAIA Roma.

É a cara do pai, cuspido e escarrado.
O correto é: É a cara do pai esculpido em Carrara.(Carrara é um tipo de mármore, extraído da cidade de Carrara/Itália)

Quem não tem cão, caça com gato.
O correto é: Quem não tem cão, caça como gato. (ou seja, sozinho!)


Explicação de alguns:

NAS COXAS:
As primeiras telhas dos telhados nas Casas aqui no Brasil eram feitas de Argila, que eram moldadas nas coxas dos escravos que vieram da África. Como os escravos variavam de tamanho e porte físico, as telhas ficavam todas desiguais devido as diferentes tipos de coxas. Daí a expressão fazendo nas coxas, ou seja, de qualquer jeito.parte do telhado de uma fortaleza em Florianópolis (SC), construída no século XVIII.

VOTO DE MINERVA:
Orestes, filho de Clitemnestra, foi acusado pelo assassinato da mãe. No julgamento, houve empate entre os acusados. Coube à deusa
Minerva o voto decisivo, que foi em favor do réu. Voto de Minerva é, portanto, o voto decisivo.

CASA DA MÃE JOANA.
Na época do Brasil Império, mais especificamente durante a menoridade de Dom Pedro II, os homens que realmente mandavam no país costumavam se encontrar num prostíbulo do Rio de Janeiro, cuja proprietária se chamava Joana. Como esses homens mandavam e desmandavam no país, a frase casa da mãe Joana ficou conhecida como sinônimo de lugar em que ninguém manda.

CONTO DO VIGÁRIO:
Duas igrejas de Ouro Preto receberam uma imagem de santa como presente. Para decidir qual das duas ficaria com a escultura, os vigários contariam com a ajuda de Deus, ou melhor, de um burro. O negócio era o seguinte: colocaram o burro entre as duas paróquias e o animalzinho teria que caminhar até uma delas. A escolhida pelo quadrúpede ficaria com a santa. E foi isso que aconteceu, só que, mais tarde, descobriram que um dos vigários havia treinado o burro.
Desse modo, conto do vigário passou a ser sinônimo de falcatrua e malandragem.

FICAR A VER NAVIOS:
Dom Sebastião, rei de Portugal, havia morrido na batalha de Alcácer-Quibir, mas seu corpo nunca foi encontrado. Por esse motivo, o povo português se recusava a acreditar na morte do monarca. Era comum, as pessoas visitarem o Alto de Santa Catarina, em Lisboa, para esperar pelo rei. Como ele não voltou, o povo ficava a ver navios.

NÃO ENTENDO PATAVINAS:
Os portugueses encontravam uma enorme dificuldade de entender o que falavam os frades italianos patavinos, originários de Pádua, ou Padova, sendo assim, não entender patavina significa não entender nada.

AGORA INÊS É MORTA:
Houve em portugal um rei D. Pedro (bem antes do nosso – sec. XIV) que tinha uma amante-amada (que não era a rainha) mas que ele cobria de atenções. Em uma viagem do rei, seus adversários políticos a mataram por acharem perigosa a relação dos dois. Ao voltar D. Pedro mandou desenterrá-la e coroá-la rainha. Mas aí.... Inês é morta!

SANTINHA DO PAU OCO
Expressão que se refere à pessoa que se faz de boazinha, mas não é. Nos século XVIII e XIX os contrabandistas de ouro em pó, moedas e pedras preciosas utilizavam estátuas de santos ocas por dentro. O santo era “recheado” com preciosidades roubadas e enviado para Portugal.

VÁ SE QUEIXAR AO BISPO
No tempo do Brasil colônia, por causa da necessidade de povoar as novas terras, a fertilidade na mulher era um predicado fundamental. Em função disso, elas eram autorizadas pela igreja a transar antes do casamento, única maneira de o noivo verificar se elas eram realmente férteis. Ocorre que muitos noivinhos fugiam depois do negócio feito. As mulheres iam queixar-se ao bispo, que mandava homens atrás do fujão.

CHEGAR DE MÃOS ABANANDO
Os imigrantes, no século passado, deveriam trazer as ferramentas para o trabalho na terra. Aqueles que chegassem sem elas, ou seja, de mãos abanando, davam um indicativo de que não vinham dispostos ao trabalho árduo da terra virgem. Portanto, chagar de mãos abanando é não carregar nada.

A VOZ DO POVO, A VOZ DE DEUS
As pessoas consultavam o deus Hermes, na cidade grega de Acaia, e faziam uma pergunta ao ouvido do ídolo. Depois o crente cobria a cabeça com um manto e saía à rua. As primeiras palavras que ele ouvisse eram a resposta a sua dúvida. Assim, a voz do povo, a voz de Deus.

CHATO DE GALOCHA
Infelizmente, os chatos continuam a existir, ao contrário do acessório que deu origem a essa expressão. A galocha era um tipo de calçado de borracha colocado por cima dos sapatos para reforçá-los e protegê-los da chuva e da lama. Por isso, há uma hipótese de que a expressão tenha vindo da habilidade de reforçar o calçado. Ou seja, o chato de galocha seria um chato resistente e insistente, explica Valter Kehdi, professor de Língua Portuguesa e Filologia da Universidade de São Paulo. De acordo com Kehdi, há ainda a expressão chato de botas, calçados também resistentes, o que reafirma a idéia do chato reforçado.

DO ARCO-DA-VELHA
Coisas do arco-da-velha são coisas inacreditáveis, absurdas. Arco-da-velha é como é chamado o arco-íris em Portugal, e existem muitas lendas sobre suas propriedades mágicas. Uma delas é beber a água de um lugar e devolvê-la em outro - tanto que há quem defenda que “arco-da-velha” venha de arco da bere (”de beber”, em italiano).

O PIOR CEGO É O QUE NÃO QUER VER
Significado: Diz-se da pessoa que não quer ver o que está bem na sua frente. Nega-se a ver a verdade.
Histórico: Em 1647, em Nimes, na França, na universidade local, o doutor Vicent de Paul D’Argenrt fez o primeiro transplante de córnea em um aldeão de nome Angel. Foi um sucesso da medicina da época, menos para Angel, que assim que passou a enxergar ficou horrorizado com o mundo que via. Disse que o mundo que ele imagina era muito melhor. Pediu ao cirurgião que arrancasse seus olhos. O caso foi acabar no tribunal de Paris e no Vaticano. Angel ganhou a causa e entrou para a história como o cego que não quis ver.

ANDAR À TOA
Significado: Andar sem destino, despreocupado, passando o tempo.
Histórico: Toa é a corda com que uma embarcação remboca a outra. Um navio que está “à toa” é o que não tem leme nem rumo, indo para onde o navio que o reboca determinar. Uma mulher à toa, por exemplo, é aquela que é comandada pelos outros. Jorge Ferreira de Vasconcelos já escrevia, em 1619: Cuidou de levar à toa sua dama.

DA PÁ VIRADA
Significado: Um sujeito da pá virada pode tanto ser um aventureiro corajoso como um vadio.
Histórico: a origem da palavra é em relação ao instrumento, a pá. Quando a pá está virada para baixo, voltada para o solo, está inútil, abandonada decorrentemente pelo homem vagabundo, irresponsável, parasita. Hoje em dia, o sujeito da “pá virada”, parece-me, tem outro sentido. Ele é O “bom”. O significado das expressões mudam muito no Brasil com o passar do tempo.

DEIXAR DE NHENHENHÉM
Significado: Conversa interminável em tom de lamúria, irritante, monótona. Resmungo, rezinga.
Histórico: Nheë, em tupi, quer dizer falar. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, eles não entendiam aquela falação estranha e diziam que os portugueses ficavam a dizer “nhen-nhen-nhen”.

PENSANDO NA MORTE DE BEZERRA
Significado: Estar distante, pensativo, alheio a tudo.
Histórico: Esta é bíblica. Como vocês sabem, o bezerro era adorado pelos hebreus e sacrificados para Deus num altar. Quando Absalão, por não ter mais bezerros, resolveu sacrificar uma bezerra, seu filho menor, que tinha grande carinho pelo animal, se opôs. Em vão. A bezerra foi oferecida aos céus e o garoto passou o resto da vida sentado do lado do altar “pensando na morte da bezerra”. Consta que meses depois veio a falecer.

SEM EIRA NEM BEIRA:
Os telhados de antigamente possuíam eira e beira, detalhes que
conferiam status ao dono do imóvel. Possuir eira e beira era sinal de riqueza e de cultura. Não ter eira nem beira significa que a pessoa é pobre, está sem grana.
Aqui está um telhado com eira, beira e tribeira.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Cai Água, Cai Barraco

Parece brincadeira, mas todo ano é a mesmo história, repetindo-se como um relógio... essa música do Biquini Cavadão parece perfeita para a insensatez do povo e da polítca brasileira. uahuahaua


Cai Água, Cai Barraco (Biquini Cavadão)
Composição: Alvaro, Bruno, Miguel, Sheik, Coelho

"Cai água, cai barraco
Desenterra todo mundo
Cai água, cai montanha e enterra quem morreu
É sempre assim todo verão
O tempo fecha, inunda tudo
É sempre assim todo verão
Um dia acaba o mundo todo
Derruba o muro, o prédio podre, a casa velha
Empurra a velha
Pega a bolsa e sai batido
E sobe o morro, sobe o pau, sobe o diabo
(desce o pau em toda gente, "a gente temo que corrê")
Corre pra cima e pra baixo, se enfia num buraco
(Manda fogo na polícia, "pr'esses caras aprendê")
Tem mais um filho na barriga
Outra criança pra mamar
Vai ser criado pela rua, vai ter muito que ralar
O povo anda armado
O povo anda armando
O povo todo anda armado e está cansado de sofrer
Bate no filho, bate-boca, bateria, bate palma e não para debater
Bate no filho, bate-boca, bateria, bate uma e não para de bater"

domingo, 24 de janeiro de 2010

Rio 40 Graus


“Rio 40 Graus, Cidade Maravilha, purgatório da beleza e do caos.”
Acho que essa é uma das melhores definições dentro de uma música para a “cidade maravilhosa”. A contradição existente é tão gritante que seria um infortúnio não admiti-la. É grosseira demais a diferença dos locais existentes.
Vou começar, infelizmente com comparações, inevitáveis: o metrô, numa cidade com tal temperatura, eu tinha a sensação de que ia desfalecer de tanto calor, o ar condicionado não funcionava, pelo menos essa era a sensação, ou não dava conta de suprir ao menos, uma circulação de ar mais humana.
Achei engraçado, não conhecia o Rio e sinceramente não estava em meus planos, algumas pessoas tem a sensação de que você vai entrar na cidade e vai começar um tiroteio e uma bala perdida vai lhe atingir... mas é essa a sensação que a TV passa, quando lhe convêm, é claro. Continuando, o centro da cidade, a região conhecida como Cinelândia foi uma grande surpresa, lá há prédios históricos maravilhosos, a arquitetura me lembrou Porto Alegre, mas a diferença é o abandono e o descaso que se sente. Os monumentos, o que seria um patrimônio cultural da cidade, ficam invisíveis diante do caos que o trânsito proporciona. Sim, com muito menos carros que São Paulo, por exemplo, o não respeito às “regras”, ou seja, sinais, é uma loucura, pedestres enfrentam os carros mesmos, e ônibus e uma quantidade inimaginável, ao menos pra mim, do interior, de táxis perambulando nas ruas. A sujeira é gritante, seja ela porque os comerciantes colocam desde cedo seus sacos de lixo nas estreitas calçadas, seja os pedestres que sem o menor pudor despejam seus resíduos nas sujas ruas, sejam os usuários de transporte que atiram de suas janelas seus lixos. A quantidade me surpreendeu. Os vendedores ambulantes, a quantidade de pessoas circulando, as pichações e vandalismos, a sujeira dos pontos, tudo isso foi asfixiante. Mas, pegando o metrô e saindo num local não muito distante da grande massa da população, chegando até Copacabana, hmmmm, a sensação foi outra.
Esse sim, esse é o verdadeiro mundo da cidade maravilhosa, um mundo lindo e limpo, fantástico, não há lixo no chão, as ruas são largas e amplas, os prédios claros e há muitas árvores. E lá, além de pessoas de todas as nacionalidades (isso é verdade), você vai encontrar o povão, que sai da parte pobre da cidade e vai com suas “farofas” para a praia e o calçadão mais conhecido do mundo... pasmem, o mesmo povo que no centro joga seus lixos no chão, ali se comportam, como se diz, para inglês ver, como civilizados. Uau! Que progresso!
Muito bacana, muito! Como diriam os cariocas, “caraça, muito sinistro”, sem esquecer de colocar uns sons de “sh” no lugar dos “s” nas palavras, muito interessante.
A forma de conseguir uma graninha dos “gringos”, ohhh, muito pagode e samba na orelha da gente, a cada quiosque (que por sinal são muito luxuosos, nada comparados aos de palha do sul, nem aos de madeira ou tijolos do sudeste), tinha um grupinho tocando um pandeiro e fazendo uma festinha, tentando enfiar um cinto ou canga goela a baixo dos gringos, falando qualquer língua para serem entendidos, eu chamaria da língua da sobrevivência, a linguagem do capitalismo, um embromation que dava resultados, porque só os gringos, pálidos e paralisados com tanta mulher com o corpo a mostra, é que compraria um cinto, naquele calor estonteante (era de 36 graus, mas parecia 55) da praia naquela tarde de janeiro. Nem coragem de chegar perto da areia eu tive, ela queimava meus olhos, imagine meus pés e olhar aquele perdido de guarda-sóis me dava menos vontade ainda de chegar perto do mar e ouvir as ondas quebrando, essa eu fiquei devendo pra mim.
A questão dos gringos e suas teorias com relação às mulheres brasileiras eu vou deixar pra contar no próximo capitulo... ahauhauahah

Lei Maria da Penha, uma vitória...?!?

Uau! Agora sim, as mulheres estão seguras. Nossa, isso até parece sentença, estar segura do amor que ela escolheu um dia, e amor não devia ser uma coisa boa, algo renovador que enche a vida de cor e de alegria?
Então que nome poderia dar para homens que agridem suas companheiras? Assassinos? Covardes? Bárbaro? Acho que não poderia chegar a um nome adequado, porque não existe nome para o tipo de ato que essas pessoas (se é que se pode chamar de pessoa) uma pessoa que agride e mata o amor da sua vida. Seja por qualquer causa que se tente justificar, há quem mate em nome de Deus, há quem mate em nome do amor, pelo menos em suas cabeças, mas suas justificativas são tão baixas quanto sua própria existência.
Parece tão inocente acreditar que essa lei, que demorou tanto tempo para ser aprovada, diante de um código civil machista e ultrapassado, diante de uma sociedade que usa as mulheres como objeto de sua mais amoral face instintiva animal, onde uma pessoa para se sentir mais homem precisa matar a pessoa que diz amar para continuar com sua honra intacta, mesmo que ele vá para a cadeia, que não amedronta ninguém, afinal temos advogados famintos, que se formaram para defender a lei e a ordem (da sua conta bancária) e com poucos argumentos no nosso frágil sistema legislativo, consegue facilmente umas brechas e ele vai acabar com pouquíssimos anos de cadeia efetivo, já que um assassino, pode ter um “bom comportamento”, ser réu primário etc. e tal, mesmo que venha ou não se arrepender do que fez, destruiu a vida de não só uma, mas de várias pessoas por causa de sua não condição humana.
Eu me pergunto, qual o papel da justiça social, divina para quem acredita nela, qual a ordem, que depois de milhares de anos, o ser humano, conseguiu organizar e constituir democraticamente, diante de uma sociedade fragmentada e frágil, escondendo diante de suas válvulas de escape, seja modernos como as compras compulsivas, sejam os antigos como as drogas (algumas novas e moderníssimas) ou o álcool. Até onde temos que ir, onde musicas vexativas, que explorar da inocência e da debilidade da personalidade de cada um ainda trata a mulher como um meio de prazer apenas, onde a cerveja está associada à mulher com um corpão escultural, onde os homens continuam reinando soberanos nos seus papéis de machos sem escrúpulos, fingindo que suas mães também machistas e as piadinhas que escutaram desde pequenos, onde devem ser opulentos caçadores viris, não influenciam em suas personalidades fracas e sua vida sem sentido e decência.
De alguma forma, todo mundo contribui para que a barbárie continue a vigorar e de certa forma, isso é auto-ajustável num sistema que precisa se justificar falho para continuar dominante e dominado, por mentes tão débeis quanto vis.
A aprovação da Lei Maria da Penha, que aumenta o rigor das punições das agressões contra a mulher quando ocorridas no âmbito doméstico ou familiar, não adianta muita coisa, porque os agressores (aqueles com intenção de matar) como disse, estão pouco preocupados com a punição, as denuncias que as mulheres fazem, de pouco adianta pra essas que fatalmente irão ser vítimas, porque esse tipo de sentença é só mais um peso diante da nossa frágil polícia, que já está saturada e corrompida, assim como todo o fracassado sistema social de uma maneira geral, que inocência senhor presidente, é preciso reestruturar muito mais embaixo para que qualquer lei venha a ter resultados reais... a base da nossa sociedade é o deficiente sistema educacional, coisa que nenhum presidente, governador ou prefeito tem coragem de mexer porque efetivamente suas cabeças também estariam no páreo se a grande massa da população começasse a usar o cérebro ao invés das mãos.